18 de novembro de 2016

Resenha » Criando Meninas, de Gisela Preuschoff


Se o sonho da sua vida é ser mãe de uma menina ou se você já concretizou esse objetivo (e hoje está toda babona com suas garotas), certamente irá se identificar com a análise de hoje. O primeiro livro a ser resenhado no blog do gênero de autoajuda e família é Criando Meninas, uma obra essencial na estante de toda mãe – presente ou futura – que deseja compreender melhor a maravilha que simboliza a criação de uma pequena mulher em sua casa. Pegue uma caneta e um bloquinho de anotações, e vamos aprender juntos!

De  um modo bem dinâmico e de fácil entendimento - mas sem deixar de possuir inúmeras referências científicas que comprovam toda a teoria que o livro apresenta -, Criando Meninas é uma obra que tem como objetivo principal guiar os pais através do fascinante caminho de se criar uma menina e auxiliá-los na compreensão do universo feminino, seja biológica ou emocionalmente falando. É compreensível que a criação de meninos e meninas tenham lá suas particularidades, e é exatamente esses aspectos que são abordados. Destacando desde o desenvolvimento cerebral até aspectos sociais que envolvem as mulheres no mundo atual, cada página representa uma oportunidade de auxiliar suas filhas a se tornarem mulheres fortes, independentes e confiantes. Este não é um manual que dá instruções prontas de como criar sua menina, mas sim um guia contendo pontos principais que podem auxiliar os pais a encontrarem a melhor maneira de adequar cada dica à personalidade das meninas que possuem em casa e que estão cada dia mais próximas de se tornarem mulheres.



❝ O acabamento da obra
Não podemos moldar as crianças de acordo com nossas vontades.
Elas pertencem a si mesmas, tendo personalidade própria e destino único.

O livro é publicado no Brasil pela editora Fundamento e faz parte de uma série de outros títulos que também dão dicas de como cuidar de filhos: Criando Meninos, Criando Bebês e Criando Adolescentes. O livro é impresso em papel couchê, o que dá um aspecto muito interessante e diferenciado à obra, fazendo também com que as páginas sejam mais grossas e brilhantes. Publicado pela primeira vez em 2008, o livro possui 133 páginas divididas em 7 capítulos organizados de acordo com cada fase da vida de uma menina, além de também possuir um Questionário de Autoconhecimento que pode auxiliar os pais a conhecerem um pouco sobre si mesmos antes de tentarem desvendar a personalidade de suas crianças. As medidas do livro são 15,8 x 23 cm e as páginas são ilustradas por várias fotos que deixam o livro beeem fofo! Também há categorias utilizadas pela autora que determinam diálogos específicos, como Fatos Científicos (em que são descritos estudos realizados por profissionais a respeito daquele tema) e Histórias do Coração (que trazem relatos de outras mães ou de experiências vividas pela própria autora).

Compre o seu clicando em uma das lojas abaixo:

         

A edição que possuo em casa é um pouco antiga. Atualmente o livro está em sua terceira edição e sofreu algumas pequenas modificações, como por exemplo, no estilo e cor da capa (o meu livro antiguinho é amarelo e a nova edição é rosa). Mas no geral, todas as edições não possuem diferenças muito grandes entre si. Você conseguirá tirar muito proveito do livro tanto em sua edição antiga, quanto nas mais recentes!




❝ Por que você deve ler
O sentido da existência das crianças não é dar alegria a nós, adultos.

A experiência de leitura é recomendada principalmente para aquelas pessoas que se interessam pelo tema relacionamentos familiares, ou até mesmo aquelas que são curiosas quanto ao desenvolvimento de uma criança. O livro é bem abrangente e não se restringe somente às pessoas que já possuem filhos, uma vez que explica desde como a menina se forma dentro da barriga da mãe até suas diferenças hormonais e comportamentais perante os meninos. São tratados temas interessantíssimos da nossa atualidade, como por exemplo a ideia de que meninas "nascem femininas, ou se tornam femininas?". O mesmo acontece com outras teorias que ainda são conservadas pela maior parte dos pais e pessoas no geral. A autora também é muito incisiva ao destacar pontos relacionados à própria criação da menina e o quanto ela ainda se diferencia da criação de meninos; os dois gêneros certamente se diferem em alguns aspectos, mas muitas outras diferenças são simplesmente impostas automaticamente pelos pais quando a menina nasce. A obra funciona muitas vezes como puxões de orelha e traz os pais para uma nova realidade em que a menina deve ter sua igualdade garantida começando de dentro de casa. O clima intimista e pessoal permanece principalmente pelos relatos que são compartilhados pela autora, o que faz o leitor se sentir como se estivesse numa conversa informal entre amigos; essa troca de experiências talvez seja um dos aspectos mais positivos do livro. Mais do que um livro de autoajuda ou psicologia, a obra é um convite à reflexão a respeito de como as meninas são criadas na atualidade e o que está ao alcance dos pais para criar suas filhas da melhor maneira possível, livre de dogmas e conservadorismos antigos.

A linguagem utilizada por Gisela não é somente pessoal ou científica, é um paralelo entre esses dois mundos que se completam. Recheado também de exercícios práticos e até mesmo meditações para serem realizadas com as crianças, o livro funciona como um direcionamento para os pais na criação de suas meninas, oferecendo ideias que os inspirem a adequar cada dica à realidade de seus lares e à personalidade de suas filhas.




❝ Preste atenção!
A imagem da mulher na mídia é uma imagem distorcida da realidade.
As mulheres que não correspondem a essa norma geralmente são marginalizadas.

Não se deixe levar pela ideia de que o livro trata das diferenças entre meninos e meninas de modo exclusivo, como se "meninas devessem ser tratadas de um jeito e meninos, de outro completamente diferente"; não, definitivamente não é isso. O que a autora quer mostrar para os pais e leitores no geral é que, apesar de meninas e meninos agirem de modos diferentes e de seus desenvolvimentos se darem em etapas distintas, não há como determinar tópicos acerca da educação de crianças que sejam exclusivos para um único gênero. Vários conceitos são até mesmo desmistificados, como a ideia de que meninas devem ser tratadas com mais cuidado do que meninos, ou que existem brinquedos ou brincadeiras específicas para tal. As meninas devem fazer tudo o que os meninos fazem e até mais, se isso for de suas vontades. O livro não exclui o masculino do feminino (e vice-versa), pelo contrário: mostra que eles só existem quando simplesmente coexistem juntos!




❝ Meu toque pessoal
Se nossa filha errar, não devemos avaliar o erro, mas incentivá-la a buscar outro caminho que a leve ao seu objetivo.

Sou um pouco suspeita para falar sobre esse tema, pois meu noivo e eu sempre sonhamos com a nossa casa cheia de menininhas correndo pra lá e pra cá, então creio que a leitura deste livro tenha sido realmente útil para começarmos a criar nossas concepções de como gostaríamos que nossas meninas fossem criadas no futuro ♥

O livro me despertou muitos insights a respeito de atitudes que quero tomar quando tiver minhas meninas. Criar um filho é uma experiência que vai muito além da concepção encontrada por aí na maioria das mentes dos pais da atualidade; é doação plena, é estar consciente de sua tarefa a todo momento. Criar meninas pode demandar uma grande atenção, mas nem sempre por elas serem mais frágeis; creio que o trabalho maior esteja em aplicar esta psicologia de uma maneira totalmente reversa: do ponto do quanto elas não precisam ser frágeis (ou serem tratadas de modo diferente que os meninos).

Criar uma menina é explicar para sua garota desde cedo que ela não precisa ser uma princesa ou um símbolo de fragilidade, ou ainda sentir-se interessada por maquiagens ou salto alto assim que aprender a se equilibrar em seus próprios pés; criar uma menina é você explicar para sua garota que ela pode ser o que quiser e quando quiser. Portanto, se ela quiser ser e fazer tudo isso também, não há problema algum. A maior missão dos pais de meninas é provar para elas que, apesar delas encontrarem muitas pessoas pela vida que dirão a maneira como elas devam se portar, o que deve ser levado em consideração é a maneira como elas se veem ou se sentem mais confortáveis. Além disso, gostei muito da forma como o livro aborda questões importantes e sempre presentes, como o medo que os pais sentem de libertar suas filhas para o mundo; ao invés de prendê-las numa redoma de vidro, ensine-as como se defender, oriente-as a estarem sempre perceptíveis e atentas a tudo o que acontece ao seu redor e como ela deve reagir ao sinal de uma movimentação suspeita, as matricule em aulas de defesa pessoal, as motive a sentir-se confiante no seu modo de andar, de olhar, de se portar, de receber o mundo.

Uma menina jamais deve sentir medo de viver simplesmente pelo fato de ser mulher!

Se eu pudesse tentar resumir a mensagem da autora em poucas linhas, seria: mostre para sua menina desde cedo o poder que ela tem. Mostre que o fato dela ser mulher e carregar inúmeros dons e capacidades únicas dentro de si já a torna incrível por natureza, e que ninguém pode convencê-la do contrário!




❝ Considerações finais
Somente pais felizes tem filhos felizes.

Um livro que me fez pensar bastante sobre o futuro e me deixou ainda mais ansiosa para criar minhas meninas (apesar de saber que ainda não está na hora disso acontecer, haha)! Um livro interessantíssimo tanto para os pais de primeira viagem quanto os mais experientes, e até mesmo para educadores ou pessoas que nem ao menos estão perto de terem filhos. Entender um pouco mais sobre a formação e construção de um novo ser é único e sempre uma nova possibilidade de aprendizado constante! Recomendado ♥

2 comentários:

  1. Ooi ainda não conhecia o livro, mais o tema é bem interessante adorei a resenha !
    beeijos
    bellapagina.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olá Débora
    Um livro bem interessante esse.
    As particularidades de ser mãe de meninas, os conceitos que se transformam, a não fragilidade e siiiim a feminilidade.
    E claro o empoderamento das mulheres
    Concordo com vc um livro para ser lido não só pelos pais, mas tb por educadores e por todos
    Gostei muito da indicação
    Bjs Luli
    https://cafecomleituranarede.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Obrigada pelo seu interesse e disposição em comentar a postagem do blog!

Espero que tenha gostado de sua visita.
Volte sempre! :-)